COMUNIDADE AMIGOS PARA SEMPRE  
MENSAGEM DO DIA - Março/2014
MENSAGEM DO DIA - Março/2014

01/03/2014

 

Quantas vezes você reuniu sua família essa semana para um dialogo descontraído ou para um momento de oração?

                Estamos iniciando hoje nosso mês da família, e essa semana vamos reconstruir o altar do senhor.  Como sempre, uma reforma deve começar sempre por onde a ruina começou, e no nosso caso a ruina começou justamente na correria do mundo moderno onde as familias não tem mais tempo um para o outro, os pais não tem mais tempo para os filhos e nem o casal tem tempo um para o outro.  Eis uma das principais causas que levam muitos ao uso de drogas, a prostituição, ao adultério, ao alcoolismo e a muitos outros vicios degradantes

                Vamos hoje refletir um pouco na letra da musica que se chama UTOPIA, de autoria do padre Zezinho, mas interpretada por muitos autores, inclusive da musica sertaneja, como Duduca e Dalvan:

01 - Das muitas coisas
Do meu tempo de criança
Guardo vivo na lembrança
O aconchego de meu lar

02 - No fim da tarde
Quando tudo se aquietava
A família se ajeitava
Lá no alpendre a conversar

03 - Meus pais não tinham
Nem escola, nem dinheiro
Todo dia, o ano inteiro
Trabalhavam sem parar

04 - Faltava tudo
Mas a gente nem ligava
O importante não faltava
Seu sorriso, seu olhar

5 - Eu tantas vezes
Vi meu pai chegar cansado
Mas aquilo era sagrado
Um por um ele afagava

06 - E perguntava
Quem fizera estrepolia
E mamãe nos defendia
Tudo aos poucos se ajeitava

07 - O sol se punha
A viola alguém trazia
Todo mundo então pedia
Pro papai cantar com a gente

08 - Desafinado
Meio rouco e voz cansada
Ele cantava mil toadas
Seu olhar ao sol poente

09 - Passou o tempo
Hoje eu vejo a maravilha
De se ter uma família
Quando tantos não a tem

10 - Agora falam
Do desquite e do divórcio
O amor virou consórcio
Compromisso de ninguém

11 - E há tantos filhos
Que bem mais do que um palácio
Gostariam de um abraço
E do carinho entre seus pais

12 - SE OS PAIS AMASSEM
O DIVÓRCIO NÃO VIRIA
CHAMAM A ISSO DE UTOPIA
EU A ISSO CHAMO PAZ

       

                Vamos refletir um pouco nas estrofes que estão destacadas:

Na estrofe numero dois, vemos uma realidade do passado, quando as familias moravam no interior, na roça, e era comum o pai de familia trabalhar o dia todo na roça, mas chegava em casa no final da tarde, cansado, mas tirava um tempo para a familia.  Cantava com os filhos, com a esposa e isso era muito edificante.  Apesar das familias serem pobres de bens materiais, sem cultura,tinham um carinho muito grande uns pelos outros e a familia era unida.

Era muito raro falar em divorcio ou separação, pois o amor de um para com o outro era verdadeiro.  Antes do casamento, o casaL sentava e conversava, se conheciam primeiro o carater um do outro antes de se conhecerem fisicamente, como hoje em dia em que os namoros começam na cama, daí quando se casam, se conhecem fisicamente, mas os costumes um do outro muito pouco se conhece, eis a razão de muitos divorcios e separações.  Antigamente até acontecia de casais se casarem sem amor, mas o respeito um pélo outro era tão grande que não demonstravam isso, viviam a vida juntos até o fim e se respeitavam.

                Na estrofe numero quatro, outra importante realidade FALTAVA TUDO, MAS O IMPORTANTE NÃO FALTAVA.  Não faltava amor, não faltava carinho de uns para com os outros, pais e filhos se respeitavam e muito, não havia discordia entre membros da familia como hoje em dia.  Você vai ver a continuação dessa reflexão na estrofe numero onze, que diz HÁ TANTOS FILHOS QUE BEM MAIS QUE UM PALACIO, GOSTARIA DE UM ABRAÇO E DO CARINHO ENTRE SEUS PAIS.  Essa estrofe nem precisa de comentario, ela já fala por si só, pois hoje em dia se pensa muito em bens materiais, em ganhar cada vez mais, em dar tudo para os filhos em bens materiais, mas o mais importante NADA.  Conheci familia que tinha tudo em questão material; emprego bom, dinheiro, carro, enfim, tudo que se possa pensar para uma casa bem equipada, mas a felicidade estava bem longe dessa familia.  Um dia tudo acabou em nada, daí a triste realidade, O DIVORCIO.  Isso é apenas um fato, mas se você pesquisar vai encontrar milhares de familias da alta sociedade onde os filhos são usuarios de drogas, pessoas dependentes de calmantes, enfim, lá está a riqueza, mas também está a maior pobreza do mundo,  FALTA DE DEUS NA VIDA DAS PESSOAS.

                A estrofe numero doze fecha a reflexão com chave de ouro, SE OS PAIS SE AMASSEM, O DIVORCIO NÃO VIRIA.  Realmente, se houvesse amor entre os casais, haveria menos discordias e com isso menos separações.

Vamos ser um pouco mais radical nessa questão, SE OS CASAIS DE NAMORADOS PROCURASSEM SE CONHECEREM primeiro antes de ir para a cama, certamente haveria menos casamentos forçados, menos casamentos mal pensados, menos casamentos sem amor, enfim, seria diferente a realidade.  Existem pessoas que se casam porque o outro é rico, outros se casam porque a outra pessoa é bonita ou porque tem boa posição social, daí vem a triste decepção e junto vem o divorcio.

Talvez você pense que eu estou sendo muito radical, mas vou dizer uma coisa: CASAL QUE CHEGA AO DIVORCIO É PORQUE NUNCA HOUVE AMOR ENTRE ELES.  Havia apenas uma atração, uma paixão desenfreada, mas amor de verdade nunca existiu, pois quem ama luta de toda forma para entender a pessoa amada.

Amar não é fazer o outro se adaptar a mim, é eu me adaptar à outra pessoa; não é esperar que a outra pessoa me faça feliz, é eu fazer a outra pessoa feliz.  QUEM AMA VIVE PARA O OUTRO, NÃO ESPERA O OUTRO VIVER PARA ELE, pois no casamento os dois se tornam uma só carne, portanto você amando a outra pessoa, estará amando a sim mesmo ao mesmo tempo.

Quem ama se preocupa com a pessoa amada, procura conversar para ver se ta tudo bem, dá atençao a outra pessoa principalmente nos momentos de dor, de dificuldades, na doença, enfim, se há amor, há tambem dialogo; se não há dialogo é porque não há AMOR.

 

PARA REFLETIR:

1 – Quantas horas por dia você tira para ouvir minha esposa ou meu marido?

2 – Você tem o costume de, ao se levantar dizer BOM DIA e ao deitar, antes de dormir dizer um BOA NOITE ao seu companheiro ou companheira?

3 – Vocês tem o costume de pedir desculpas um ao outro antes de dormir se houve alguma falha naquele dia?

4 – Voces já demonstraram um ao outro neste dia o amor que sente um pelo outro?

5 – Vocês estão dispostos a começar uma vida nova a partir deste momento na vida matrimonial?

6 – Vocês já sentaram hoje para estudar a biblia juntos?

7 – Vocês já abraçaram vossos filhos hoje (se tiver)?

 

 

DIA 02/MARÇO/2014

 

 

 

Quantas vezes esse mês você reuniu sua família para uma refeição juntos?

 

                A correria do mundo moderno nos rouba esse precioso tempo que poderíamos ter com nossa família, o momento da refeição.  Nos tempos bíblicos, a refeição era um ritual muito importante, prova disso Jesus realizou a ultima ceia com seus apóstolos e aproveitou para lhes dar um novo mandamento: AMEM UNS AOS OUTROS COMO EU VOS AMEI (João 13, 33)

 

                Como vimos ontem, para reconstruir o que foi destruído, precisamos começar a reforma onde começou a ruína, e podemos começar a tirar tempo para nossa família nos momentos de refeição, onde cada um poderá contar sua experiências do dia.  Experimente fazer isso hoje.

 

PARA REFLETIR:

 

 

 

Leia essa passagem bíblica e reflita com sua família:

 

 

 

, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos.

 

E, sendo chegada a tarde, os seus discípulos aproximaram-se dele, dizendo: O lugar é deserto, e a hora é já avançada; despede a multidão, para que vão pelas aldeias, e comprem comida para si.

 

Jesus, porém, lhes disse: Não é mister que vão; dai-lhes vós de comer.

 

Então eles lhe disseram: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes.
E ele disse: Trazei-mos aqui.

 

E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a erva, tomou os cinco pães e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão.

 

E comeram todos, e saciaram se; e levantaram dos pedaços, que sobejaram, doze alcofas cheias.
E os que comeram foram quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças.

 

Mateus 14:14-21

 

 

 

1 – Onde aconteceu essa cena?

 

2 – Por que a multidão seguia Jesus?

 

3 – Com que Jesus estava preocupado?  E os discípulos?

 

4 – O que eles tinham de comida naquele momento?

 

5 – Qual foi a atitude de Jesus ao saber que tinham apenas aquele alimento?

 

6 – E hoje, com que estamos mais preocupados?

 

7 – Estamos seguindo Jesus também?

 

Dia 03 de março/2014

 

Quantas vezes durante sua vida de casado você tirou um momento no fim do dia para pedir desculpas a sua esposa ou ao seu marido pelos erros cometidos naquele dia?

 

            É lamentável saber que hoje em dia as pessoas se deitam e se levantam como animais, não se cumprimentam não se importam de ferir um ao outro sem ao menos pedir desculpas.  Errar é humano, mas reconhecer o erro é uma atitude cristã, isso demonstra caráter digno.

A triste realidade nos dias de hoje é que, existem muitas pessoas vivendo juntas na mesma casa, mas são poucas que formam famílias.  Ser família não é apenas viver juntos na mesma casa, para ser família é preciso observar alguns preceitos como:

 

1 – UNIÃO

E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne. (Marcos 10:8)

            É muito serio essa afirmação da palavra de Deus, o casal se torna um no casamento, isso quer dizer que devem caminhar juntos, pensar juntos, serem unidos em tudo, não apenas na cama.

 

2 – RESPEITO

Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor...  Vós, maridos, amai vossas mulheres..., (Efésios 5:22-25)

            É muito sábio o conselho do apostolo Paulo, ele manda que a mulher ame seu marido, da mesma forma que o marido deve também amar sua mulher, isso nos mostra que o respeito deve partir das duas partes.  Cada pessoa tem suas características, isso não vai deixar de existir no casamento, ou seja, os dois se tornarem um não quer dizer que a pessoa perde sua individualidade, apenas diz que devem se respeitar, ou seja, um entender o outro.  Há momentos em que um vai ter que abrir mão de certas coisas para não haver conflito no lar, nessa hora deve reinar a humildade.

 

3 – CONTROLE DA SITUAÇÃO

Porque o mexer do leite produz manteiga, o espremer do nariz produz sangue; assim o forçar da ira produz contenda. (Provérbios 30:33)

Tem dias em que a pessoa tem um dia péssimo, tudo dá errado, nada acontece conforme o esperado, daí essa pessoa chega em casa arrasado, querendo apenas uma palavra amiga, uma palavra de conforto, mas como está muito irado, não consegue se expressar e acaba dizendo palavras pesadas ao outro, é onde acontece as discussões.  Se tão somente a outra pessoa soubesse acolher o que está irado, haveria paz no ambiente e ambos seriam felizes, mas o que mais vemos acontecer é um atirando pedras no outro.  Veja o exemplo abaixo:

João perde o emprego e chega em casa revoltado com a situação.  Vai falar com sua esposa e acaba dizendo palavras erradas:

João – Olha Isabel, hoje não foi o meu dia, acabei brigando com aquele panaca e ele me mandou embora.  Que desgraça viu!

Isabel – Ta vendo, não sabe o que fala, dá nisso.  Você é um louco, deveria saber falar com as pessoas, agora fica ai sem trabalhar, bem feito pra você.

João – Louca é você, vagabunda, fala de mim mas olha ai quanto tempo sem trabalhar.  Eu sei bem o que faço da minha vida, não preciso de sua opinião.  Vai...

Certamente você deve estar acostumado a ver ou ouvir relatos sobre a atitude de Isabel.  Numa dessa a briga vai longe, pode resultar até numa separação porque as palavras são pesadas, as ofensas são grandes, isso quando não acaba em pancadaria.

Qual deveria ser a atitude de Isabel?  Reescreva este texto trocando as falas de Isabel por uma fala da forma correta, como ela deveria reagir a essa situação.  Será que vão pedir desculpas um ao outro na hora de dormir?  Se fosse você, como reagiria?

Poderíamos enumerar muitos preceitos, mas esses três são os básicos para uma boa convivência em família.

 

PARA REFLETIR

1 – Quais os maiores desafios você já enfrentou na sua vida de casado?

2 – Como você conseguiu vencer os problemas da sua família?

3 – Como está hoje a sua convivência conjugal?

4 – O que precisa ser mudado para que sua família seja mais feliz?

5 – Reescreva a historia de João e Isabel contando como é a vida deles no dia a dia, como é a convivência deles com os filhos, enfim, conte um pouco sobre essa família. (essa pode ser a sua família, ou seja, você pode contar a sua experiência de vida)

 

Dia 04 de março/2014

Quantas vezes, hoje, você parou para fazer um carinho na sua esposa ou no seu marido e lhe dizer EU TE AMO?

            Lamentavelmente esse costume ficou no esquecimento por muitas pessoas em nossos dias, principalmente depois de casados.  No período de namoro se diz isso com freqüência, mas depois que se casa, tudo muda.  Veja a simulação abaixo:

            (Antes do casamento)

ELE – Meu amor, você sabe que te amo tanto que não sei mais viver sem você.

ELA – Eu também querida, te amo tanto.  Não vejo a hora de nos casarmos e estarmos juntos para sempre.

ELE – Pode deixar que isso vai ser muito em breve.

            (Depois do casamento)

ELE – Onde você estava preguiçosa que não cuidou dessa casa hoje?

ELA – Vai...  Já que não ta bom assim vai caçar quem te faz melhor.

ELE – Não vejo a hora de me livrar de você.  Você é um encosto na minha vida.

            Isso é apenas uma ilustração do que acontece hoje em dia em muitos lares.  As palavras são pesadas, de baixo calão, horrorizantes.  Por que será que isso acontece?

Eu tenho minha opinião a esse respeito, posso até estar errado, mas penso assim, isso não era amor, era apenas uma atração física que tinham um pelo outro, uma paixão desenfreada.

                Dizer EU TE AMO não custa nada, mas pode mudar a vida da outra pessoa, isso levanta a sua auto-estima e faz muito bem pra saúde, tanto física como emocional.

PARA REFLETIR

1 – Você já disse ao seu companheiro ou à sua companheira hoje que o ama?

2 – Já praticou algum gesto que demonstre esse amor?

3 – Já parou alguma vez para refletir sobre o seu casamento, sobre seus desafios juntos e como vai sua vida de casado hoje?

4 – Ao se levantar disse pelo menos um BOM DIA a outra pessoa?

5 – Reescreva as falas dos personagens antes e depois do casamento baseado na sua experiência de vida matrimonial.

 

 

 

DIA 05/março/2014

 

Quantas vezes na sua vida de casado você tirou tempo para ficar do lado do seu marido ou da sua esposa quando este esteve doente e precisou de sua maior atenção?

 

 

 

Noivo: “Eu (nome do noivo) , recebo-te por minha esposa a ti (nome da noiva), e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida”.

 

Noiva: “Eu (nome da noiva) recebo-te por meu esposo (nome do noivo) e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida”.

 

 

 

            Será que os casais de hoje em dia ainda se lembram desse voto que fizeram perante Deus e perante a sociedade no momento do matrimonio?  É lamentável, mas dá a impressão de que muitos nem prestam atenção no que falam e prometem um ao outro, pois nos momentos em que a pessoa mais precisa da outra, essa some.

 

            Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;

 

Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;

 

Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes.

 

Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?

 

Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim.

 

Mateus 25:41-45

 

            É muito serio esse voto que fazemos, deveríamos levar isso a sério, pois um dia Deus vai cobrar de nós isso.

 

PARA REFLETIR:

 

 

 

1 – Tenho ficado do lado da minha esposa, ou do meu marido quando este mais precisou num momento de dor?

 

2 – Você ainda se lembra do voto que fez no dia do casamento?

 

3 – Você está feliz com o seu casamento?  Por que?

 

4 – Reflita no que Jesus disse nesta passagem do evangelho acima.

 

Dia 06/março/2014

Quantas vezes você sentou com seus filhos para brincar com eles ou conversar e lhes perguntar como foi seu dia?

E há tantos filhos
Que bem mais do que um palácio
Gostariam de um abraço
E do carinho entre seus pais...

No primeiro encontro refletíamos sobre a letra da musica UTOPIA, certamente você se lembra, e este refrão fala da dura realidade do mundo moderno.  Como já vimos antes, muitos são abastados de bens materiais, mas lhes falta paz, amor, carinho, alegria de viver, enfim, falta DEUS nas famílias, e como conseqüência disso, vemos o caos que o mundo atual vive.

Vemos que os pais não tem mais tempo para os filhos, uns são colocados desde pequenos nas creches ou em escolas maternais e dali vão para casa já a noite, e lá no lar não são ouvidos, não são ao menos apreciados pelos seus pais, pois outras coisas de menor valor ocupa o lugar da família.  O precioso momento em que a família deveria estar conversando, outras coisas tomam esse lugar e com isso acabam se afastando cada vez mais um do outro, até que acabam VIVENDO NA MESMA CASA SEM SER UMA FAMILIA.

Quem sabe você que está nos acompanhando, possa fazer essa experiência hoje de sentar com seus filhos e conversar com eles, perguntar como foi seu dia, o que eles mais gostaram na escola, enfim, conversar com eles, quem sabe até brincar com eles, jogar algum jogo com eles, fazer algo juntos.  Reúna a família para um momento de diversão descontraída, onde todos possam falar e se expressar.  É disso que o mundo moderno precisa.

O mundo não precisa de pessoas que falem bem, precisa de pessoas que OUÇAM BEM, que saibam ouvir o seu próximo.

 

PARA REFLETIR

                Hoje você vai tirar um tempo para sua família, conversar com eles, brincar com eles e relatar essa experiência, outras famílias podem mudar de vida com o seu testemunho.

 

 

DIA 07/março/2014

 

 

 

Quantas vezes você procurou ajudar seus filhos nos seus problemas diários, como na escola, na rua ou até mesmo em casa?

 

 

 

                Na reflexão de ontem sugerimos que você tirasse tempo para seus filhos, brincar com eles, fazer alguma atividade juntos, pois vemos que hoje em dia os pais não tem mais tempo para os filhos.  Hoje para fechar nossa semana, vamos avaliar como foi essa semana de RECONSTRUÇÃO DO ALTAR DE DEUS NA FAMILIA.  Conte nos como foi sua semana, o que mudou, se você conseguiu atingir a meta esperada ou não, se não conseguiu, não desanime, TENTE OUTRA VEZ, como diz a musica de Raul Seixas:

 

Veja!
Não diga que a canção
Está perdida
Tenha em fé em Deus
Tenha fé na vida
Tente outra vez!...

Beba! (Beba!)
Pois a água viva
Ainda tá na fonte
(Tente outra vez!)
Você tem dois pés
Para cruzar a ponte
Nada acabou!
Não! Não! Não!...

Oh! Oh! Oh! Oh!
Tente!
Levante sua mão sedenta
E recomece a andar
Não pense
Que a cabeça agüenta
Se você parar
Não! Não! Não!
Não! Não! Não!...

Há uma voz que canta
Uma voz que dança
Uma voz que gira
(Gira!)
Bailando no ar
Uh! Uh! Uh!...

Queira! (Queira!)
Basta ser sincero
E desejar profundo
Você será capaz
De sacudir o mundo
Vai!
Tente outra vez!
Humrum!...

Tente! (Tente!)
E não diga
Que a vitória está perdida
Se é de batalhas
Que se vive a vida
Han!
Tente outra vez!...

 

            Nunca desista, pois a vitoria pode estar na próxima tentativa.  Os grandes vencedores um dia foram os maiores perdedores, mas nunca desanimaram e venceram, portanto você também pode vencer se NÃO DESANIMAR.

 

            Fechando essa semana, queremos agradecer a todos vocês que estão nos acompanhando neste mês da família e convidar para que continuem conosco nas próximas semanas, pois termos muitos assuntos importantes a ser tratados.  Não percam a próxima semana, que será tratado do assunto FAMILIA NA SOCIEDADE, é um tema muito profundo, pois vamos analisar o papel da família na formação de uma sociedade mais justa e fraterna.  Não adianta somente reclamar dos problemas sociais, temos que rever certos conceitos e buscar a solução juntos.

 

Não percam a próxima semana.

 

PARA REFLETIR:

 

            Hoje é dia de você refletir junto com sua família como foi sua semana, avaliar os pontos positivos e negativos, procurando a melhora para a próxima semana.

 

Tenha um bom final de semana, Deus te abençoe.

 

Dia 09/março/2014

 

            Nesta semana iremos avaliar alguns projetos sociais que buscam reestruturar a sociedade de alguma forma, mas muitas vezes acabam sem nenhum resultado, o que leva muitos a culpar o governo e seus auxiliares.  Será que a culpa é realmente dos governantes?  Será que nós não temos nenhuma culpa na falência desses projetos?

Como vimos ontem, a família é a célula-mãe da sociedade, ou seja, a sociedade é formada pelas famílias, e se essas estiverem desestruturadas, a engrenagem social toda vai sofrer as conseqüências.

            Vamos começar nossa reflexão avaliando o PROJETO FOME ZERO, que foi criado em 2001.  Queremos nesta semana ouvir a sua opinião, pois ela é muito importante para nós e para toda a sociedade.

LEIA O PROJETO E RESPONDA:

1 – Você acha que esse projeto atingiu seu objetivo?  Por quê?

2 – Se não atingiu seu objetivo, de quem você acha que foi a culpa?

3 – Você conhece alguma família que mudou de vida com o auxilio desse projeto?

4 – O que você acrescentaria a esse projeto para que ele atingisse melhor o seu objetivo?

5 – Que sugestão você daria a quem criou esse projeto?

6 – Dê uma sugestão para um projeto que melhoraria a vida em sociedade.

 

Projeto Fome Zero (2000-2001) 

O Fome Zero apresenta uma proposta para combater a fome, a miséria e suas causas estruturais, que geram a exclusão social. Ele foi concebido para garantir a segurança alimentar de todos os brasileiros e brasileiras. Ter segurança alimentar significa que todas as famílias tenham condições de se alimentar dignamente com regularidade, quantidade e qualidade necessárias à manutenção de sua saúde física e mental.

Dezenas de especialistas em diversas áreas do conhecimento, ligadas de alguma forma ao combate à fome, como nutricionistas, agrônomos, geógrafos, economistas, especialistas em saúde pública e outros profissionais e representantes de organizações sociais, foram convidados pelo Instituto a contribuir para enfrentar conjuntamente o problema da fome no país, que atinge milhões de brasileiros. A Fundação Djalma Guimarães foi parceira neste projeto.

A equipe técnica foi coordenada pelos professores José Graziano da Silva, Walter Belik e Maya Takagi, do Núcleo de Economia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), realizando amplos seminários em várias regiões do Brasil. O documento “Uma proposta de política de segurança alimentar para o Brasil”, com diretrizes concretas para erradicar a fome no nosso país, foi apresentado à sociedade em 16 de outubro de 2001, Dia Mundial da Alimentação.

O Projeto Fome Zero deu origem ao programa federal de segurança alimentar e combate à fome, hoje distribuído por vários ministérios e aglutinado no Bolsa Família.

 

 

 

Dia 10/março/2014

 

Esta semana estamos analisando alguns projetos sociais para tentarmos entender o grave problema da decadência social.  Hoje vamos analisar o projeto AUXILIO RECLUSÃO.

 

LEIA O PROJETO E RESPONDA:

1 – Você acha que esse projeto atingiu seu objetivo?  Por quê?

2 – Se não atingiu seu objetivo, de quem você acha que foi a culpa?

3 – Você conhece alguma família que mudou de vida com o auxilio desse projeto?

4 – O que você acrescentaria a esse projeto para que ele atingisse melhor o seu objetivo?

5 – Que sugestão você daria a quem criou esse projeto?

6 – Dê uma sugestão para um projeto que melhoraria a vida em sociedade.

 

  

 

Brasil: A Verdade Sobre O Auxílio-Reclusão

 

Postado em 5 Setembro, 2011 14:01 GMT

 

http://pt.globalvoicesonline.org/2011/09/05/brasil-a-verdade-sobre-o-auxilio-reclusao/   

 

A iniciativa do governo brasileiro de oferecer auxílio reclusão aos familiares e dependentes dos presos, tem suscitado certa discussão nas mídias cidadãs online. Criado em 2003, com o valor base de R$ 560,81, o total do auxílio vem sendo reajustado desde então, e está hoje fixado nos R$ 862,60. Este “benefício devido aos dependentes do segurado recolhido à prisão, durante o período em que estiver preso sob regime fechado ou semi-aberto” desencadeou já desde fins de 2009 uma corrente de emails que ainda hoje circulam pela internet afirmando que:

 

todo presidiário com filhos tem direito a uma bolsa que para sustentar a família, já que o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos por estar preso.

 

Instalações da Penitenciária Lemos de Brito, Bahia. Foto de Gov/Ba no Flickr (CC BY 2.0)

 

O tom de sátira que acompanha as palavras serve como propaganda contra projetos sociais, como o Fome Zero e o Bolsa Família, popularizados no Brasil desde a eleição do presidente anterior, Lula da Silva. Seu governo, caracterizado por uma gestão mais social, tentou reduzir a desigualdade entre classes sociais através destes auxílios, os quais geraram certa controvérsia pela então falta de incentivos a sustentabilidade das classes mais baixas.

 

Desvendando o Auxílio

 

Apesar do conteúdo do email em circulação deixar clara a existência de uma propaganda contra o auxílio-reclusão, alguns blogueiros decidiram procurar a verdade por trás das afirmações. No próprio email, um link para o site da Previdência Social é fornecido, que confirma o valor total difundido pelo email; entretanto, o valor corresponde ao último salário-de-contribuição do indivíduo preso. Ou seja, só tem direito ao Auxilio-Reclusão aqueles que já estavam contribuindo a Previdência Social antes de serem presos.

 

Um artigo publicado em 2010 pelo então estudante de jornalismo Jean Takada no site AtibaiaNews, e republicado pela blogosfera com o intuito de esclarecer o “show de equívocos na rede” e explicar melhor esta bolsa, dizia:

 

Na verdade o Auxílio Reclusão não é um projeto aprovado para ajudar os presos e seus filhos. É uma ajuda prevista no inciso IV do artigo 201 da Constituição Federal, que diz que a Previdência Social deve pagar o auxílio reclusão para dependentes dos “segurados” de baixa renda recolhidos ao Sistema Penitenciário Nacional (…) e só vale para pessoas com trabalho comprovado em carteira ou contrato que comprove contribuição ao INSS. Para a família ou dependentes ter direito à ajuda, o último salário deve ser igual ou menor a R$ 798,30 (…) e não pode estar recebendo outros benefícios como auxílio doença, aposentadoria ou abono de permanência em serviço.

 

A grande temática levantada pelo email (sem a explicação devida da funcionalidade do Auxílio-Reclusão) é que esta bolsa seria um incentivo a criminalidade pois qualquer

 

bandido com 5 filhos, além de comandar o crime de dentro das prisões, comer e beber nas costas de quem trabalha e/ou paga impostos, ainda tem direito a receber auxílio reclusão de R$3.991,50 da Previdência Social.

 

O site E-Farsas, do pesquisador Gilmar Lopes, que se dedica ao desvendamento de farsas na internet, começa esclarecendo que este valor total é impossível de ser repassado:

 

o benefício é único e independente da quantidade de filhos que o preso possui. Não importa se ele tem 4 ou 5 dependentes. O valor do auxílio é sempre o mesmo. Também é bom ressaltar aqui que a ajuda não é dada ao preso e sim à sua família.

 

Talvez parte da polêmica do email se deve ao fato de a população carcerária brasileira ter triplicado nos últimos 15 anos, ocasionando um gasto público maior com o setor. De acordo com dados de 2010 postados no ExpressoMT, o Brasil

 

tem uma população carcerária de 494.237 presos. Desse total, 153.526 são provisórios, 172.942 cumprem pena em regime fechado, 64.717 em regime semiaberto e 16.315 em regime aberto. O sistema prisional tem hoje cerca de 60 mil agentes penitenciários.

 

Independente de números ou valores, a prisão de um individuo está diretamente ligada a questões de direitos humanos. Sem o guardião responsável poder prover para sua família, cabe ao governo este auxílio básico, contando que esteja dentro do direito do contribuinte.

 

Instalações da Pnitenciária Lemos de Brito, Bahia. Foto de Gov/Ba no Flickr (CC BY 2.0)

 

De acordo com Igor Fonseca Rodrigues, do blog Pensando Direito,

 

em sendo um seguro, na verdade o preso que recebe o auxílio-reclusão não está recebendo nada além do que aquilo pelo qual já pagou.

 

Logo, não se trata de um gracioso favor prestado pelo governo, mas sim o pagamento daquilo que estava antecipadamente previsto na legislação.

 

O artigo publicado no site, terminou com a seguinte colocação,

 

óbvio, nada contra discutir se é o melhor para a sociedade brasileira que esse benefício exista, mas pelo menos devemos nos pautar pelo que efetivamente está previsto, e não por um conceito imaginário do que seria essa benesse.

 

Com esta colocação final, vários comentários foram gerados, desde aqueles que apóiam a medida do governo até aqueles que se opõem ao auxílio. Entre eles, ocomentário assinado por Racquel Gaia diz:

 

A questão não é se o detento matou, seqüestrou, roubou, extorquiu, etc. A questão é: ele trabalhou, contribui para a previdência, logo ele adquiriu o direito de receber todos os benefícios advindos da previdência social. Se qualquer um de nós for preso (não importa o motivo), mas contribuímos para a previdência, então qualquer um de nós tem o direito a receber qualquer auxílio do INSS, não importa quem somos ou o que fizemos, importa é que pagamos, então adquirimos o direito.

 

Um outro comentador, Mário Costa, aponta:

 

Realmente, a familia do presidiário não pode ser punida pelo que ele fez. Porém, ninguém aqui tocou no assunto : o presidiário deveria trabalhar na cadeia, para prover seu próprio sustento. É facil viver à nossas expensas. Compare: se o segurado morrer, até a despesa do enterro é da familia, recebendo um pequeno auxilio funeral. Se o segurado ficar doente, vai ter que viver (ele e sua família) com o auxilio doença. Se ele for preso, só vai dar despesa, como comida, roupa, escolta para ser ouvido, etc… e a família recebe o auxilio reclusão. Isso é igualdade?

 

Baseando-se nos demais comentários, percebe-se certa “reclusão” entre prisioneiros e comentaristas. Talvez uma direta reflexão de valores projetados pela sociedade brasileira, existe um consenso geral de superioridade expressado por aqueles que dispõem de total liberdade, levando a crer que o “Auxilio-Reclusão” seria apenas mais um privilégio prestado aqueles que não o merecem.

 

Pois fica aqui a pergunta, “qual a sua verdade sobre o Auxilio-Reclusão?”

 

 

 

Escrito porFernando Sapelli

 

Postado em 5 Setembro, 2011 14:01 GMT

 

 

Dia 11/março/2014

 

Esta semana estamos analisando alguns projetos sociais para tentarmos entender o grave problema da decadência social.  Hoje vamos começar a analisar entidades sociais que prestam serviços a sociedade.  Vamos analisar hoje uma entidade que presta serviços a crianças carentes, com o objetivo de construir um futuro melhor.

 

LBV – legião da boa vontade

WWW.lbv.org

VISITE O SITE E RESPONDA:

1 – Você acha que essa entidade está atingindo seu objetivo?  Por quê?

2 – Se não está atingindo seu objetivo, de quem você acha que foi a culpa?

3 – Você conhece alguma família que mudou de vida com o auxilio dessa entidade?

4 – O que você acrescentaria a esse projeto para que ele atingisse melhor o seu objetivo?

5 – Que sugestão você daria a quem criou esse projeto?

6 – Dê uma sugestão para um projeto que melhoraria a vida em sociedade.